Sexta-Feira, 20 de Janeiro de 2017, 03h:27

Tamanho do texto A - A+

Prefeito determina tolerância zero no combate ao Aedes aegypt em Cuiabá

MARIA BARBANT

 

O prefeito Emanuel Pinheiro determinou tolerância zero nas ações de combate ao mosquito Aedes aegypti, vetor de agravos como a dengue,  a doença do zika vírus e a febre do chicungunya. Durante o lançamento do Comitê de Ação Preventiva ao Mosquito, instituído oficialmente pelo Decreto nº 6.207, de 02 de janeiro, um dos primeiros da nova gestão, Emanuel Pinheiro determinou, diante da situação de alerta, tornar as ações permanentes e uma política de governo. O Comitê que orienta as ações conjuntas entres as Secretarias Municipais de Governo, Comunicação, Obras Públicas, Serviços Urbanos, Ordem Pública, Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano, Procuradoria Geral e ainda as secretarias de Assistência Social e Educação, será ligado diretamente ao gabinete do Prefeito e as ações comandadas pela Secretaria de Saúde de Cuiabá.

 

O Plano de Ação para Intensificação do Combate ao Mosquito Aedes aegypti está baseado nos resultados do Levantamento Rápido Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti  (LIRAa), onde é pesquisado o índice larvário do vetor, o número de notificação de casos e a densidade demográfica.

 

De acordo com os resultados obtidos nos quatro levantamentos realizados em 2016 o maior problema estava nos reservatórios no baixo e no lixo domiciliar. No município os índices já demonstravam uma situação de Alto Risco.

 

A situação continua preocupante. Segundo a técnica do Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde (CIEVS), Moema Couto Silva Blatt,  em janeiro de 2016, o Índice de Infestação Predial (IIP) era de 11,3%. Hoje, o índice está em 6,6% mas atinge um maior número de bairros da cidade, sendo a região sul, a que detém os maiores índices.

 

“Nessa época do ano, o acúmulo de água agrava a situação causando prejuízo social, econômico e de saúde. Entretanto as ações não podem ser pontuais, devem ser combinadas com um trabalho de educação e ações concretas de todas as secretarias, durante todo o ano”, destacou.

 

Isso porque nos períodos de chuva a densidade vetorial aumenta devido à presença de criadouros do vetor o que requer uma intensificação das ações  e a mobilização da população e instituições para reduzir a sobrecarga nas unidade de saúde decorrente das doenças relacionadas ao Aedes aegypti.

 

No Plano apresentado pela coordenadora da Vigilância em Zoonoses, Alessandra Carvalho, que tem como objetivo a redução do índice de infestação pelo Aedes aegypti, estão previstas ações de mobilização da população para manter os domicílios sem criadouros do vetor, a eliminação dos criadouros removíveis, o chamado lixo da dengue no ambiente intradomiciliar e a atuação em parceria com as demais secretarias municipais.

 

“Temos problemas em situações envolvendo imóveis pendentes, moradores em situação de vulnerabilidade social, instituições públicas com instalações infestadas e bolsões de lixo. Daí a necessidade da participação de todos os órgãos públicos nos casos pertinentes as suas atribuições”, destacou Alessandra Carvalho.

 

A secretária de Saúde de Cuiabá, Elizeth Lucia de Araújo a ação irá envolver os Agentes Comunitários de Saúde e de Combate as Endemias e será comandada pela Saúde visto que “a situação é grave na cidade toda, mas, nesse momento,  o último Lira apontou a região Sul com o maior  índice de infestação, ou seja, mais focos do Aedes aegypti. Nos iremos trabalha a orientação, educação, limpeza da cidade, utilizando bloqueio químico nos locais que forem necessários e estruturar a rede de saúde para que elas tenham a condição de receber as pessoas acometidas por esses agravos e realizar o atendimento, com o objetivo de dar uma resposta rápida as pessoas”.

 

O prefeito Emanuel Pinheiro lembrou que todos estão sujeitos a serem acometidos por esses agravos e disse que ao criar o Comitê, seu objetivo foi institucionalizar a ação já que se trata de um problema de saúde pública. “Essa ação, preventiva e de combate ao mosquito Aedes aegypti passa a ser uma das prioridades da Prefeitura, e uma política de governo. Nosso maior desafio será a mudança comportamental e conceitual junto a cada cidadão e, para darmos o exemplo, vamos começar pelo prédio do executivo municipal e as unidades do poder público”.

 

Participaram da reunião os secretários de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano, Juares Silveira Samaniego; de Obras Públicas, Vanderlúcio Rodrigues da Silva; Ordem Pública, Leovaldo Salles, de Governo, Carlos Roberto da Costa, Serviços Urbanos, José Roberto Stopa, a diretora da Vigilância em Saúde, Silvana Miranda e o secretário-adjunto de Políticas Comunitárias