Quinta-Feira, 13 de Abril de 2017, 11h:58

Tamanho do texto A - A+

Gigante da China está próxima de comprar por US$ 1 bilhão terminal portuário que escoa produção de Mato Grosso

Redação

 

A estatal China Merchants está em conversas avançadas para a compra do Terminal de Contêineres de Paranaguá (TCP), no Paraná.   O ativo, que é controlado pelo fundo americano Advent, foi colocado à venda no ano passado. 

 

Grande parte da carne e de grãos produzidos no Brasil, notadamente em Mato Grosso e no Centro-Oeste, é escoada para o exterior, com destaque para o mercado chinês, pelo porto de Paranaguá.

 

O valor da transação, referente à participação da Advent de 50% na empresa, é de cerca de US$ 1 bilhão, segundo fontes a par do assunto. A ideia original era abrir o capital do TCP ou vender apenas uma fatia a investidores privados, mas a boa demanda pelo negócio levou os controladores a rever essa estratégia. 

 

A companhia também estava em conversas com o grupo árabe Dubai Port World (DP World), sócio da Odebrecht na Embraport, na Baixada Santista. As negociações com a companhia, no entanto, esfriaram, disse uma fonte familiarizada com o assunto (a DP World negocia a compra da participação da Odebrecht no terminal santista). 

 

"O grupo chinês mostrou mais interesse pelo negócio, e as conversas ficaram mais intensas", disse uma fonte. No momento, TCP e a gigante chinesa de transportes estão acertando os últimos detalhes para assinar um acordo vinculante, afirmou outra fonte a par do assunto. 

 

No ano passado, o TCP contratou os bancos BTG Pactual e Morgan Stanley para assessorá-lo nas negociações. O grupo China Merchants contratou o banco Santander. O gigante asiático é o maior investidor e operador de rodovias na China, com 8.147 km de estradas, pontes e túneis em 18 províncias. 

 

Além disso, tem 31 terminais portuários espalhados por 18 países. No Brasil, o TCP seria sua estreia para futuros negócios numa área carente de investimentos, a infraestrutura de transportes. 

 

O terminal brasileiro é considerado um dos mais modernos no País e tem bom potencial de crescimento. Nos últimos anos, recebeu altos investimentos na renovação de equipamentos e na infraestrutura local, o que melhorou de forma expressiva a produtividade da empresa.

 

 Em 2015, movimentou 815,6 mil TEUs (unidade equivalente a um contêiner de 20 pés). Hoje, o TCP é o terceiro maior terminal de contêineres do País, atrás apenas de Santos Brasil e Brasil Terminal Portuário (BTP), ambos no Porto de Santos. 

 

O terminal também detém o maior número de tomadas refeer - infraestrutura exigida para a manutenção de contêineres de produtos refrigerados, como carnes - do País. 

 

O controle do terminal foi adquirido em 2011 pelo Advent, por US$ 500 milhões. Além do fundo, o TCP tem como sócio a APM Terminals, outro peso pesado do transporte mundial de contêineres, pertencente à gigante Maersk. 

 

Aquisições 

 

Apesar de colocar o terminal à venda, nos últimos meses a gestora americana tem sido agressiva em aquisições. Em dezembro, comprou a distribuidora de produtos químicos quantiQ, que pertencia à Braskem, e a faculdade gaúcha Cesuca. 

 

Em março, anunciou a compra de uma fatia relevante da corretora Easynvest. O fundo também é apontado como o favorito para comprar o laboratório de genéricos Teuto, que tem a multinacional americana Pfizer como sócia. A gestora ainda está em conversas avançadas para abrir o capital da farmacêutica Biotoscana, que no Brasil controla a United Medical.

 

 Procurados, o Advent e o TCP não comentaram sobre as negociações envolvendo o terminal. Já o China Merchant e DP World não retornaram os pedidos de entrevista. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo. 

(Com Agência Estado)