Terça-Feira, 23 de Janeiro de 2018, 06h:32

Tamanho do texto A - A+

Ofensiva turca contra curdos na Síria já matou 80, diz ONG

Redação

A ONG Observatório Sírio para os Direitos Humanos (Sohr, na sigla em inglês) denunciou nesta segunda-feira (22) que cerca de 80 pessoas, entre civis e milicianos, morreram em Afrin, no noroeste do país árabe, desde o início da ofensiva da Turquia contra curdos na região, no último sábado (20).

A região é controlada pelo Partido da União Democrática (PYD), braço sírio do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), considerado uma organização terrorista por Ancara. O governo turco alega que a zona de Afrin, perto da fronteira entre os dois países, é árabe, mas foi tomada por curdos em meio aos conflitos na Síria.

Segundo a Sohr, o balanço de vítimas inclui 24 civis, incluindo dois menores de idade e uma mulher. Entre os milicianos mortos estão 26 membros do PYD e 19 combatentes árabe-sírios cooptados pela Turquia. Outros nove cadáveres não foram identificados.

Ancara e suas milícias já abriram três frentes de batalha contra o PYD: ao norte, ao noroeste e ao sudoeste de Afrin. Nesta segunda-feira, os Estados Unidos pediram para a Turquia realizar suas ações militares e sua retórica "com moderação" para evitar vítimas civis.

A ofensiva terrestre, chamada "Ramo de Oliveira", conta com o aval da Rússia, parceira de Ancara na construção do gasoduto Turkish Stream, que transportará gás russo por meio do Mar Negro até a fronteira com a Grécia.

Na linha de frente do lado curdo dos combates está a milícia Unidade de Proteção Popular (YPG), que conquistou territórios nos conflitos contra o grupo terrorista Estado Islâmico (EI). Os curdos foram peça-chave na guerra contra o EI e receberam treinamento e armamentos de países ocidentais.

Por conta disso, Erdogan quer afastar o PYD das fronteiras turcas e conter o crescente poder curdo na Síria.