Sexta-Feira, 19 de Maio de 2017, 06h:17

Tamanho do texto A - A+

Otan considera ressuscitar comandos do Atlântico e do Ártico para deter a Rússia

Redação

 

A Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) pode restaurar um comando naval da Guerra Fria, para conter o aumento das atividades de submarinos russos no Ártico e proteger as rotas marinhas do Atlântico, de acordo com diplomatas e autoridades familiarizadas ao assunto. 

 

As discussões sobre trazer de volta o antigo Comando do Atlântico da Otan indicam que a aliança permanece focada em melhorar as defesas dos aliados contra a Rússia, apesar da demanda do presidente americano, Donald Trump, por um maior foco nas políticas antiterroristas. 

 

Autoridades militares das nações da Otan, incluindo o presidente do Estado-Maior Conjunto, o general Joseph Dunford da marinha americana, reuniram-se em Bruxelas e receberam um briefing sobre a revisão do comando, incluindo opções por um posto no Atlântico. 

 

Planejadores miliares e especialistas de defesa alertam que a frota de submarinos da Rússia, é cada vez mais capacidade de operar no Ártico e no Atlântico Norte sem ser detectada, ao passo em que a habilidade da Otan em monitorar tais atividades tem diminuído desde a Guerra Fria. 

 

O desenvolvimento de estratégias para proteger as rotas do Atlântico tem ganhado importância em meio a uma ressurreição dos planos da Guerra Fria para movimentar rapidamente pesados equipamentos militares dos EUA para a Europa no caso do confronto com a Rússia. 

 

Se isso acontecesse, os submarinos russos poderiam complicar a proteção dos comboios americanos, segundo especialistas de defesa. Fonte: Dow Jones Newswires. 

(Com Agência Estado)