Domingo, 02 de Abril de 2017, 05h:19

Tamanho do texto A - A+

Paraguai: ministro e chefe de polícia demitidos após assassinato de militante

Redação

 

O presidente do Paraguai, Horacio Cartes, demitiu o ministro do Interior do país, Tadeo Rojas, e o chefe da Polícia Nacional, Crispulo Sotelo, após o assassinato de um jovem líder da oposição.

 

Rodrigo Quintana, 25, foi morto na sede de um grupo liberal de ativistas, local diferente do foco das manifestações, a sede do Congresso, onde dezenas foram presos após confrontos entre manifestantes e policiais.

 

A manifestação era contra uma emenda constitucional que permite a reeleição do presidente do país. Durante a madrugada de sábado, os manifestantes invadiram o primeiro andar do edifício público e incendiaram papéis e móveis. A polícia usou canhões de água e balas de borracha e os bombeiros conseguiram conter as chamas.

 

A Ponte da Amizade, na fronteira do Brasil e Paraguai, ligando as cidades de Foz do Iguaçu (PR) e Ciudad del Este, chegou a ficar fechada pelos manifestantes por cinco horas, mas foi reaberta às 3h da madrugada deste sábado, segundo a Polícia Rodoviária Federal do Paraná.

 

A medida que permite a reeleição foi aprovada por 25 dos 45 senadores do País. Os votos pelo sim vieram, principalmente, de membros do Partido Colorado. Opositores à reeleição, incluindo o presidente do Senado Roberto Acevedom, do Partido Liberal Radical Autêntico, alegam que o processo violou as regras do Senado e um recurso foi enviado à Suprema Corte.

 

Após a aprovação no Senado, a proposta vai para a Câmara dos Deputados, onde 44 dos 80 membros pertencem ao Partido Colorado. Se aprovado na Câmara, um referendo nacional pode ser agendado.