Terça-Feira, 09 de Agosto de 2011, 09h:08

Tamanho do texto A - A+

Brasil participa de reunião para negociar fim do impasse na Síria

O subsecretário para Oriente Médio do Ministério das Relações Exteriores (MRE), Paulo Cordeiro, está em Damasco, na Síria, para participar amanhã (10) de uma reunião com autoridades ligadas ao presidente sírio, Bashar Al Assad, e representantes da missão do Ibas (grupo que inclui Brasil, Índia e África do Sul). O objetivo é buscar uma solução negociada para encerrar a crise no país que se agravou com os sucessivos episódios de violência registrados em várias cidades sírias.

Cordeiro foi enviado pelo ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, para negociar em nome do Brasil. O governo brasileiro rechaça qualquer medida de ingerência ou sanção à Síria. As autoridades brasileiras defendem a articulação de uma alternativa interna que garanta a preservação dos direitos fundamentais – de expressão e de imprensa –, o fim das violações aos direitos humanos e as reformas, exigidas pela população.

Ontem (8) a presidenta Dilma Rousseff ratificou a defesa pela busca do diálogo e de uma solução pacífica para a crise política e social que atinge os países muçulmanos. Para Dilma, o Brasil é um país que “acredita no valor do diálogo” lembrando ainda que o uso da força “deve ser sempre o último recurso”.
 
A presidenta ressaltou também que o Brasil pode ter essa posição porque é um país pacífico e livre de armas nucleares. A reação de Dilma é uma referência à autonomia conquistada pelo Brasil e o repúdio a atos que levem à interferência em territórios estrangeiros.

“Somos uma área livre de armas nucleares e que acredita no valor do diálogo. Temos [se necessário] legitimidade para recomendar uma atitude mais ousada em razão às rápidas transformações no mundo”, disse a presidenta no almoço oferecido ontem ao primeiro-ministro do Canadá, Stephen Harper, no Itamaraty.