Terça-Feira, 02 de Agosto de 2011, 09h:59

Tamanho do texto A - A+

Senado dos Estados Unidos vota hoje acordo sobre dívida, depois de Câmara aprovar as medidas

O Senado dos Estados Unidos volta hoje (2) o plano para aumentar o teto da dívida norte-americana. A votação ocorre depois da aprovação do mesmo plano ontem (1º) pela Câmara dos Representantes. A aprovação da proposta depende de 60 votos a favor do total de 100 senadores. No Senado, o Partido Democrata, que é o do presidente norte-americano, Barack Obama, tem maioria.

A Câmara dos Representantes (equivalente à Câmara dos Deputados) aprovou ontem à noite o acordo que evita um calote do governo norte-americano. Pelo projeto, há um corte de gastos de US$ 2,4 trilhões (R$ 3,7 trilhões) e uma elevação no teto da dívida na mesma proporção. A proposta foi aprovada por 269 votos a favor e 161 contra.

O projeto também estabelece a suspensão do pagamento das dívidas. A votação no Senado, controlado pelo governo democrata, deve oferecer menos resistência que na Câmara, que tem maioria formada pela oposição republicana. Só depois o projeto será assinado por Obama.

A Casa Branca tem um teto legal para a tomada de empréstimos para o pagamento das contas públicas, como o salário dos militares, os juros de dívidas prévias e o sistema de saúde Medicare. O limite atual é de US$ 14,3 trilhões (R$ 22,3 trilhões).

A principal crítica dos republicanos está na proposta de aumento de impostos. Para eles, o ideal é cortar os gastos do governo. Os democratas, por sua vez, defendem taxação de fortunas e a blindagem de programas sociais voltados a idosos e mais pobres dos cortes propostos.

O acordo fechado pelas lideranças dos dois partidos no último fim de semana, no entanto, não agradou aos parlamentares de uma forma geral. Antes da votação ontem, a democrata Nancy Pelosi disse que “respeitava completamente a hesitação” daqueles que não queriam votar a favor do pacote.